segunda-feira, 10 de março de 2014

Relatório do Projeto Jovens Leitores/2012 -2013


Geisa M. M. Mota, professora de língua portuguesa e LEM - inglês do Colégio Estadual “Arthur de Azevedo”-EFMPN.

O Projeto Jovens Leitores vem sendo implementado no Colégio Estadual “Arthur de Azevedo” – EFMPN em São João do Ivaí desde meados de 2012. Começamos com uma turma, o 7º ano “B”, e atualmente expandimos a ideia para outras turmas (Veja o link: http://jleitores.blogspot.com/2013/02/projeto-jovens-leitores.html).

Antes de nossa participação no projeto de formação continuada do PDE (Programa de Desenvolvimento da Educação), percebíamos que a leitura do educando era realizada quase sempre em casa e, muitas vezes, os livros de literatura eram comumente sugeridos pela professora. Alguns nem liam, outros só raramente por influência familiar. Lógico, tudo na normalidade do cotidiano escolar.

Entretanto, a partir da implementação do projeto Leio, logo existo: Ensino e Aprendizagem de Leitura – Formação de Leitores Competentes (PDE, 2009-2011), percebemos então a necessidade de desenvolver a leitura crítica do educando, para a formação de leitores competentes. Paulo Freire definiu o ato de ler assim:
“Ler, segundo Freire, não é caminhar sobre as letras, mas interpretar o mundo e poder lançar sua palavra sobre ele, interferir no mundo pela ação. Ler é tomar consciência. A leitura é antes de tudo uma interpretação do mundo em que se vive. Mas não é só ler. É também representá-lo pela linguagem escrita. Falar sobre ele interpretá-lo, escrevê-lo. Ler e escrever, dentro desta perspectiva, é também libertar-se. Leitura e escrita como prática da liberdade." (Almeida in: Folha online, 2009)

Sendo assim, começamos a fazer adaptações do projeto acima citado. Iniciamos com algumas estratégias sugeridas do meu caderno didático-pedagógico como, por exemplo, o 1º episódio da obra Moleques de Rua, de Roberto Freire. A contextualização foi enriquecida com o filme O Contador de Histórias, de Luiz Villaça. A obra se baseou na vida de Roberto Carlos Ramos, o qual é um ex-interno da Febem (atual Fundação Casa) em Belo Horizonte e que teve seu caminho modificado por um encontro. Mais tarde, quando adulto ele se tornou um pedagogo e pai de 13 jovens, todos frutos da adoção.
E assim, no transcorrer do ano letivo, incluímos a leitura na sala de aula. Utilizamos algumas estratégias pesquisadas na internet, outras elaboradas por nós e postadas no blog http://jleitores.blogspot.com.br/, tais como: O Pequeno Príncipe, de Antoine Saint-exupéry, O Menino do Dedo Verde, de Maurice Druon, alguns diários da obra O diário de Anne Frank, com edição definitiva por Otto H. Frank e Mirjam Pressler e demais obras escolhidas pelos próprios alunos. Os alunos preferem obras atuais, por isso devemos fazer uso de adaptações tanto de obras quanto de filmes.
Por outro lado, paralelamente às leituras inserimos os gêneros textuais do conteúdo do PTD (Plano de Trabalho Docente) no cotidiano e abrimos um leque de ações lúdicas como “Declamação de poemas de Helena Kolody”, uma escritora paranaense e considerada a primeira mulher a publicar haicai no Brasil, também umPiquenique da Leitura”, “Maquetes de obras literárias lidas” e “Oficina de teatro” inspirada na obra Flicts, de Ziraldo (trata-se de uma adaptação teatral em port./ingl. produzida pelos alunos Rodrigo e Silvana).
Mas os jovens gostam de novidades, como disse Clodoaldo, um aluno do 3º Ensino Médio em seu depoimento:

"Muitos jovens hoje em dia não se interessam por leitura, eu afirmo isso, pois eu era um desses jovens. Alguns preferem ficar no computador, ao invés de ler um bom livro. Outros jovens leem sempre e eles escolhem o gênero literário infanto-juvenil do tipo Persy Jackson, Harry Potter, Os Instrumentos Mortais, Circulo Secreto e muitos outros. Digo isso, porque eu sou um desses leitores, e sei que os jovens se interessam mais por esses livros, ao invés de lerem os clássicos. Na verdade, os jovens gostam mais de ler os livros da atualidade”. (Clodoaldo - 3º ano do Ens. Médio).


Então, no ano letivo de 2013, para despertar a leitura-prazer priorizando mais a leitura na sala de aula, realizamos leitura e interpretações de contos, de crônicas e estudo das obras alusivas ao Centenário de Vinicius de Morais. Vimos sua biografia, alguns vídeos e slides, além de ilustrações e pesquisas na internet. Também trabalhamos alguns temas referentes à diversidade contemporânea.
Nessa trajetória o que mais nos chamou atenção foi o modismo dos jovens leitores, pois alguns alunos caminhavam pelo pátio segurando seus livros e a cada instante livre eles os abriam e interagiam uns com os outros. Houve também interação motivacional através das redes sociais. A leitora Maria Eduarda, aluna do 8º ano, definiu o projeto assim: "A leitura depois do projeto foi como uma modinha, mas uma modinha boa. Talvez, mais para frente, ser "cool" é ser leitor."
Ainda falta muito para atingirmos o ideal porque muitas pessoas não têm o hábito de ler e, mesmo quando leem, fazem-no por obrigação. O problema está na preferência das pessoas que trocam os livros ou mesmo os textos da internet por atividades como ver televisão, assistir a filmes em DVD, reunir-se com amigos e família e navegar na rede de computadores por diversão. Isso sem falar nas bibliotecas sucateadas! Então, como atrair esses jovens sedentos por novidades?
No entanto, não podemos desistir de aguçá-los “ao sabor do ler” e demonstrar-lhes a importância da leitura para um mundo letrado. Cabe, entretanto, aos professores e pais a incumbência de protagonizar o valor da leitura aos seus pupilos. E assim Bill Gates exprime em suas sábias palavras para refletirmos: “Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história.”
Com o intuito de mobilizar e despertar mais leitores anônimos e não leitores e quem sabe inseri-los nesse contexto, propiciamos um “Passeio Literário” pela “Biblioteca Cidadã”, no distrito de Ubaúna, de são João do Ivaí - PR. Lá os alunos (as) ficaram encantados com a disponibilidade do acervo e, principalmente, em manuseá-los, tendo em vista que nossa biblioteca local não oferece essa possibilidade. Muitos trouxeram até livros para ler em casa.
Por fim, antes de sair para minha licença especial, um direito adquirido do professor, ficamos na expectativa por novos livros. Então, primeiramente recebemos a doação de alguns exemplares da obra Amor de Menino, de Miguel Sanches Neto, meu grande colega de graduação.
E, recentemente, tivemos a grata doação de diversos livros por parte do Professor Leandro Barco através da Alternativa Distribuidora de Livros e Revistas, tendo como proprietário o Senhor Rogério de Aguiar Filot. Essa empresa está há 12 anos no mercado atendendo varejistas e, principalmente, supermercados. Há cerca de 3 anos essa empresa desenvolve o projeto de ampliar o mix de produtos com livros, por ver que existe uma necessidade de ampliar o acesso das pessoas ao conhecimento.
Entretanto, a ponte desse contato foi através de nossa amiga e ex-aluna Silvana Costa, a qual não mediu esforços para nos apoiar uma solicitação e envio do Projeto Jovens Leitores ao Senhor Leandro Barco. Então, no dia 10 de dezembro fomos ao colégio receber vários livros doados pela empresa. Além disso, o vendedor Bruno Faria nos apresentou informações que poderão nos oportunizar possíveis propostas para o próximo ano letivo.
Vale destacar que o Senhor Leandro Barco nos explicou que eles têm outros projetos na área para o próximo ano, voltados às cidades pequenas com até 30 mil habitantes. Esses projetos visam à formação de parcerias com a finalidade de tornar mais acessível o livro para as pessoas de cidades menores e que têm problemas em encontrar bons livros num universo variado.
Enfim, o Projeto Jovens Leitores anda com passos lentos, mas mesmo assim já colhe alguns frutos positivos. A leitura é essencial para prática da cidadania. A mobilização por novos leitores deverá continuar para despertar o interesse dos não leitores de nossa sociedade. Vamos valorizar nossa cultura, nossos escritores nacionais e da literatura universal. Não basta querer, é preciso agir e não dá para esperar que milagres aconteçam.
Nesse sentido, a intervenção já recebe apoio da professora Rosângela Bombarda Barradas (uma grande aliada), bem como da pedagoga Fátima Vechi, a qual nos deixou seu depoimento assim:
“Parabenizo a Professora Geisa pelo incentivo e despertar o gosto pela leitura de nossos alunos. Ela está sempre preocupada em formar estudantes mais críticos, coerentes e com maior facilidade de interpretação. É através da leitura que podemos descobrir as diferentes formas de viajar pelo mundo.” (Pedagoga Fátima Vechi)

A professora Maria Claudete Couto também defendeu a importância da leitura e nos deixou seu recado: ”acho que todos os professores deveriam trabalhar leitura em sala de aula.  “Aqui em distrito de Santa Luzia eu também desenvolvi um projeto de leitura numa turma do 6º ano e foi muito bom”.
Para reforçar os propósitos do Projeto Jovens Leitores Maria Castro, mãe da aluna Amanda de Castro Alcântara, aluna do 8º “B”, também registrou sua mensagem:
''Através da leitura conseguimos conhecer lugares mais distantes do mundo, fatos, histórias, etc. Ler é viajar pelo mundo da imaginação.
O blog é uma excelente forma de trabalho para ajudar os leitores a terem prazer pelo mundo da leitura. Eu sempre gostei de ler. E minhas viagens de férias entre outras, o livro não podia faltar.
No ano passado, observei que minha filha Amanda de Castro Alcântara estava lendo, e lendo vários livros, e fiquei muito feliz!
Parabéns, pelo seu trabalho Professora Geisa, que fez com que os jovens leitores sentissem o prazer da leitura!!”(Maria Castro, mãe da sua aluna Amanda - 8º “B”)

Sendo assim, convido mais pais, profissionais da Educação, alunos e comunidade em geral para andarmos de mãos dadas. Vamos inovar e fazer a diferença na Educação, pois se quisermos ensino de qualidade temos de buscar soluções. Como disse Paulo Freire: “A educação sozinha não pode transformar a sociedade, tampouco sem ela a sociedade muda.” Portanto, vamos priorizar mais a leitura na sala de aula, em nossos lares, em suma, em todos os lugares.

Depoimento recebido por  e-mail


"Em minha opinião, a leitura é essencial para todos, principalmente para os adolescentes, pois a adolescência é considerada umas das fases mais complicadas da vida. Livros são a melhor forma de viajar sem sair do lugar, eles nos levam a lugares extraordinariamente mágicos, nos fazem pensar, criticar, gostar ou não do que está escrito, além de nos ajudar na escrita de nossos próprios textos, livros ou qualquer outro tipo. Mas, infelizmente os adolescentes de hoje em dia estão trocando os livros por celulares, computadores, e todos esses aparelhos eletrônicos que estão sendo lançados em nosso meio. Uma frase que ficou gravada em minha mente é essa: “Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever – inclusive a sua própria historia. – Bill Gates”. A leitura deve ser incentivada as crianças desde quando elas são pequenas, seja pelos pais, pela escola, para que elas peguem amor nos livros, nos mundos mágicos que se encontram dentro deles. "(Letycia Lima - 8º “A”)

Projeto Jovens Leitores/2014
A proposta do Projeto Jovens Leitores continuará sendo implementada na sala de aula para o 9º "B" e convidados. A partir deste ano, a proposta fará parte do MAIS EDUCAÇÃO para outros alunos, no período contraturno escolar, ou seja, no período vespertino. Em breve apresentarei novas propostas para  respectivas turmas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.